sexta-feira, 18 de abril de 2014


[és pressa. sou poema. e as minhas mãos pequenas de menina acendem paixões que o teu amor devora.]




terça-feira, 15 de abril de 2014

e o teu olhar

após uns Fragmentos




o teu rosto…
gosto tanto do teu rosto
os meus dedos tocam-lhe
suavemente,
delicadamente,
devagar
(é bom prolongar o contacto).

ofereces-me o teu sorriso
em lábios que sussurram desejos,
desfiam beijos que saboreio…

o teu olhar…
como é infinito o teu olhar


sexta-feira, 11 de abril de 2014

pensamentos



porque gosto deste texto e porque faz juz ao título do blogue aqui fica

Encontro-te na soleira de madeira, talhada a cinzel de quereres que se estendem nas faldas da serra que palmilhámos em noites de lua cheia. Recordo-me de ti na transparência de um vestido leve que cai sobre o teu corpo de formas singelas que o escultor elevou a deusa.
As palavras que queríamos dizer ficaram para depois. Somente importava o olhar, o mesmo olhar que te viu  na pureza da luz cinza, deitada na turfa verde de uma natureza que acolhe os corpos dos amantes.
Debruço-me em ti e recolho o sabor do teu beijo. Esse beijo doce que deixas nos meus lábios.
E é de novo o olhar que chama os corpos, que se despem e se amam à luz prata do luar...


quarta-feira, 9 de abril de 2014



Saber-te música no silêncio que não cabe no meu peito.
Dizer-te beijo _____________ lentamente __________em sussurros.
Sentir-te posse de alma em corpo c.o.r d.e p.u.r.p.u.r.i.n.a. _____________ rasgando os dias em tardias madrugadas. E ser o ponto infinito na tua vida.